O futuro da democracia (1984) parte de uma definição mínima dessa forma de governo. Sua análise adota a perspectiva do contraste entre os ideais de ontem (teorias como as de Rousseau, Locke, e Stuart Mill) e a matéria bruta de hoje (a atual conjuntura das democracias representativas). Isso se traduz em promessas não-cumpridas, como por exemplo a que diz respeito à representação: o ideal era o da representação política (o representante representando apenas a nação), mas na prática deu-se o inverso: o representante invariavelmente representa interesses particulares; a que tem que ver com o poder oligárquico: o projeto democrático preconizava a eliminação da distinção entre governantes e governados ? como resultado, contudo, temos que a própria forma da democracia representativa já é a negação daquele projeto e que não somente as oligarquias não foram suprimidas, como hoje também temos a presença de toda uma gama de elites; e a que trata do ?poder invisível?: o ideal primeiro da democracia era o da transparência ? todas as ações do governo deveriam ser públicas e nenhum outro tipo de poder secreto seria legítimo ? mas hoje temos, de uma parte, alguns poderes sociais anômalos e encobertos, e de outra, a tendência do governo de passar do seu papel de observado-controlado ao de observador-controlador.

Tais promessas não se realizaram devido a certos obstáculos imprevistos relacionados ao grau de complexidade das sociedades contemporâneas. Não obstante, a conclusão do autor é positiva e moderadamente otimista: os direitos com base na liberdade individual, o pluralismo partidário, o sufrágio universal, entre outras instâncias fundamentais do Estado democrático, têm permanecido atuantes e, apesar de algumas democracias estarem mais ou menos distantes do paradigma ideal e original de regime democrático, nenhuma delas se assemelha, constitutivamente, a um Estado de tipo autocrático.


Anarquia Cotidiana

Stefan Molyneux

Clique aqui para ler

As Engrenagens da Liberdade

David D. Friedman

Clique aqui para ler

Teoria do Caos

Robert P. Murphy

Clique aqui para ler

Vícios não são crimes

Lysander Spooner

Clique aqui para ler