Na obra "Sobre a Violência", Hannah Arendt aborda a violência apresentando como "pano de fundo" de suas reflexões as situações ocorridas no século XX, ressaltando a importância do desenvolvimento tecnológico no contexto das guerras, chegando mesmo a afirmar que estas perderam sua eficácia e até mesmo o seu "fascínio". No entanto, considera que a única justificativa para a guerra ainda existir nos dias atuais é o fato de que ainda não apareceu outra forma de resolução dos "negócios internacionais".

Ela contesta o posicionamento de pensadores como Wright Mills, para quem "toda política é uma luta pelo poder" e "a forma básica do poder é a violência". Tal pensamento que, refletia o de Max Weber que definia o Estado como o "domínio do homem pelo homem baseado nos meios da violência legítima, quer dizer, supostamente legítima", isto é, para eles, a violência seria a mais flagrante manifestação do poder (o domínio do homem sobre o homem, que exige a efetividade do comando). Ao contrário destes, a autora afirma ser a violência uma forma de implemento, um instrumento, não é sinônimo do poder, mas ao revés, é capaz de destruí-lo.


Anarquia Cotidiana

Stefan Molyneux

Clique aqui para ler

As Engrenagens da Liberdade

David D. Friedman

Clique aqui para ler

Teoria do Caos

Robert P. Murphy

Clique aqui para ler

Vícios não são crimes

Lysander Spooner

Clique aqui para ler