Publicado em 26 de maio de 2014 | por Deirdre N. McCloskey

Essa professora vai desafiar suas concepções sobre liberdade de expressão

[Para ativar as legendas, clique no botão esquerdo ao lado da engrenagem.]

Todo mundo ama liberdade de expressão, certo? Está na Primeira Emenda da Constituição dos Estados Unidos e tudo mais. Mas a professora Deirdre McCloskey vai complicar o que você entende por liberdade expressão a associando com a palavra do grego antigo para persuasão: retórica. As pessoas tendem a se afastar do termo, mas ser persuadido é uma coisa ruim? Nós como humanos dependemos da linguagem. Nós temos que persuadir uns aos outros sobre coisas como a validade do Teorema de Pitagóras ou sobre qual marcar de refrigerante comprar. A única alternativa a persuasão pela conversa é a persuasão pela violência.

Muitas pessoas dizem amar a liberdade de expressão, entretanto, elas reclamam da publicidade e os seus esforços para persuadir indivíduos a comprarem coisas de uma marca em vez de outra ou escolher um candidato em vez de outro. Muitas usam a palavra manipulação. Mas qual é o melhor meio de tomar decisões sobre o que comprar ou no que acreditar se não via as pessoas que estão tentando nos convencer?

Se persuasão é a única alternativa a violência, uma sociedade de livre escolha, de ideias livres e consumo livre é uma sociedade de publicidade, uma sociedade retórica. Prof. McCloskey diz, “Uma sociedade livre é uma sociedade de conversas em vez de violência”.

Transcrição de Juliano Torres
Tradução de Matheus Pacini
Revisão e sincronização de Johnny Jonathan

Original

Portal Libertarianismo: “Evoluindo Ideias e Indivíduos.”


Sobre o autor

Deirdre N. McCloskey

Deirdre McCloskey é professora de economia, história, Inglês, e comunicação na Universidade de Illinois em Chicago. Extremamente conhecida por ser uma ótima economista, historiadora, dotada de uma boa retórica já escreveu 16 livros e publicou 400 artigos, que vão desde dos aspectos técnicos da economia passando por estatísticas, defesa dos transgêneros, ética e as virtudes burgues. Seu último, Bourgeois Dignity: Why Economics Can't Explain the Modern World, é o segundo de uma série de quatro sobre a Era Burguesa.



Voltar ao Topo ↑