Armas gun control

Publicado em 31 de agosto de 2013 | por Thomas Sowell

As leis de controle de armas controlam as armas?

A controvérsia sobre o controle de armas é somente um dos últimos dos vários assuntos a serem debatidos unicamente em termos de preconceitos fixos, com pouco ou nenhuma análise dos fatos concretos.

As discussões na mídia sobre o controle de armas são dominadas por dois fatores: a National Rifle Association (Associação Nacional do Rifle, em tradução livre) e a Segunda emenda da constituição. Mas a questão primordial é se as leis de controle de armas reduzem os crimes com armas em geral ou, particularmente, as taxas de homicídio.

Se, como os defensores do controle de armas afirmam, as leis de controle de armas realmente as controlam e salvam vidas, não há nada para impedir a revogação da segunda emenda, assim como não havia nada impedindo a revogação da décima oitava emenda, que criou a lei seca.

Mas, se os fatos concretos mostrarem que as leis de controle de armas não controlam as armas realmente, mas ao invés levam a mais assaltos à mão armada e ao aumento da taxa de homicídio depois que os cidadãos obedientes a lei são desarmados, então as leis de controle de armas são uma má ideia, mesmo se não houvesse uma segunda emenda e nenhuma organização chamada National Rifle Association.

O problema central se resume à pergunta: quais são os fatos? Ainda assim, há muitos fanáticos que parecem estar completamente desinteressados sobre os fatos ou sobre a falta de conhecimento deles mesmos sobre os fatos.

Muitas pessoas que nunca deram um tiro na vida não hesitam em declarar quantas balas deveria haver em um cartucho. Algumas dizem dez balas, mas a lei mais recente de controle de armas do Estado de Nova Iorque específica sete balas.

Virtualmente todos os defensores do controle de armas dizem que trinta balas em um cartucho é muito para a própria defesa ou para a caça – mesmo se eles nunca foram caçar ou nunca tiveram que se defender com uma arma. Este dogmatismo desinformado e hipócrita é o que faz o debate sobre o controle de armas tão fútil e tão polarizado.

Qualquer um que enfrente três invasores em casa, tendo em risco ele próprio ou a sua família, pode achar trinta balas pouco adequado. Apesar de tudo, nem todas as balas atingem o alvo, mesmo a uma distância pequena, e nem todo tiro incapacita. Você pode ser morto por um homem ferido.

Estas situações simples de vida e morte foram ignorados por anos por pessoas que vão à loucura quando ouvem quantos tiros foram disparados pela polícia quando se defrontam com algum criminoso.

Como alguém que já ensinou a disparar uma pistola nos Marines, eu não estou nem um pouco surpreso com a quantidade de tiros disparados. Eu já vi pessoas errarem um alvo parado a uma distância pequena, até mesmo na segurança e na calma de um campo de tiro.

Nós não podemos esperar que todos saibam disso. Mas nós podemos esperar que eles saibam que eles não sabem – e parem de falar pelos cotovelos sobre situações de vida e morte quando eles não tem os fatos.

A questão central sobre se as leis de controles de armas salvam vidas ou não gerou muitos estudos concretos ao longo dos anos. Mas estes estudos têm sido como a árvore que cai em uma floresta vazia, e que ninguém ouviu – certamente não os fanáticos que já se decidiram e que não querem ser confundidos pelos fatos.

A maior parte dos estudos concretos não mostra nenhuma redução em crimes com armas, incluindo assassinatos, quando leis de controle de armas estão em voga. Um número significante de estudos mostra que a taxa de homicídios e de outros crimes com armas aumentaram quando leis de controle de armas foram instituídas.

Como isso é possível? Parece óbvio para alguns fanáticos pró-controle de armas que, se ninguém tem armas, ocorreriam menos roubos armados e menos pessoas mortas por armas de fogo.

Mas nada é mais fácil do que desarmar pessoas pacíficas que obedecem à lei. E nada é mais difícil do que desarmar pessoas que não são nem pacíficas nem obedientes à lei – especialmente em um país que já tem centenas de milhões de armas por ai, que não vão enferrujar por séculos.

Quando era legal comprar uma escopeta em Londres em meados do século XX, havia bem menos roubos na cidade. Mas, depois que os britânicos fanáticos por controle de armas conseguiram virtualmente desarmar toda a população obediente à lei com o passar dos anos, assaltos armados se tornaram literalmente falando cem vezes mais comuns. E a taxa de homicídios, cresceu.

Alguém pode escolher cuidadosamente os estudos concretos, ou citar alguns estudos que subsequentemente foram desacreditados, mas a grande maioria dos estudos mostra que leis de controle de armas não controlam armas de fato. No saldo líquido, estas leis não salvam, mas custam vidas.

Leis de controles de armas permite que algumas pessoas manifestem suas emoções, que políticos façam discursos e que hipócritas “façam uma declaração” – mas tudo ao custo da vida de outras pessoas.

//  Tradução de Daniel Coutinho. Revisão de Matheus Pacini.


Veja também

•  O controle de armas diminui a criminalidade?

 Mulheres armadas, mulheres seguras


Sobre o autor

Thomas Sowell

Thomas Sowell é um economista americano, crítico social, comentarista político e autor. Ele frenquentemente escreve como um defensor da economia laissez-faire, e sua visão política pode ser geralmente classificada como libertária.



Voltar ao Topo ↑