Meio Ambiente ctico indo pra fogueira

Publicado em 15 de maio de 2013 | por admin and Chris P.

Aquecimento Global: uma perspectiva libertária

Uma acusação comum feita contra os libertários é que eles “negam” a existência do aquecimento global porque esse é um problema que necessitaria da intervenção governamental para ser resolvida. Essa é uma afirmação bastante expressiva e revela tanto quanto, se não mais, sobre os estatistas como também o faz para os libertários.

O que os estatistas estão basicamente dizendo com essa acusação é que se você aceita a Teoria Antropogênica (produzido pelo homem, artificial) do Aquecimento Global, então você tem de aceitar que o estado deve fazer algo a respeito. Um libertário poderia simplesmente responder que os estatistas estão apoiando uma agenda focada no aquecimento global com o objetivo de reivindicar ainda mais poder para o estado.

Mas os estatistas dizem que a “ciência é clara”. É realmente assim?

1. A política

A razão pela qual os estatistas confiantemente declaram que a “ciência é clara” no que se refere ao debate sobre o aquecimento global é porque eles podem apontar para um “consenso” de cientistas que concordam com a teoria. Isto é, todos os que não são nem idiotas ou financiados pela indústria petrolífera ou trabalhando para algum tipo de think-tank de direita. Os competentes, sem nenhuma agenda.

A prova que eles são independentes advém do fato que a maioria deles está trabalhando em universidades ou para as Nações Unidas ou ainda para alguma organização “independente” financiada pelo governo. Isso os torna muito mais confiáveis, sem dúvida.

Aqui é onde os libertários devem discordar. Nós não pensamos que o governo é, de fato, uma “entidade independente”. Nós tendemos a ser da opinião que os governos querem poder e que eles serão a favor de qualquer teoria a qual os conceda mais poder.

Os cientistas envolvidos não são exatamente reservados sobre o que eles querem. “Que não haja dúvidas sobre as conclusões da comunidade científica: a ameaça do aquecimento global é muito real e ação é necessária imediatamente,”, disse o prêmio Nobel Henry Kendall, Presidente da União dos Cientistas Engajados (grifo nosso) (fonte)

 2. A agenda governamental

Agora, os governos têm a polícia, o exército, um virtual monopólio sobre as armas… o que uma teoria do aquecimento global poderia trazer de benefício?

Legitimidade. Os governos sempre necessitam de um sentimento de legitimidade. A única forma que eles podem convencer pessoas decentes a dar suporte ao que, de outra maneira, seriam atos criminosos é por parecer estar simplesmente agindo no “interesse público” (bem público). Para os votantes serem convencidos da necessidade do governo (ou de uma política pública) eles têm de acreditar que o governo está os protegendo de coisas, as quais somente poderes especiais (INICIAÇÃO DA FORÇA) pode resolver. Por exemplo:

  • Um exército para nos proteger de ameaças externas;
  • Uma força policial para nos proteger da atividade criminosa;
  • Regulamentações para nos proteger dos banqueiros gananciosos;
  • A Previdência Social para nos proteger da pobreza;
  • Tarifas e subsídios para nos proteger da concorrência dos mercados externos;
  • Regulamentação ambiental para nos proteger do aquecimento global e da poluição.

Existem muitas outras razões com certeza, e não é como se todas essas ameaças fossem inteiramente inventadas pelo governo, mas a questão e que esses potenciais ou reais perigos são USADOS de forma a LEGITIMAR o seu uso de poderes especiais. Os estatistas iriam dizer, sem dúvida, que essas ameaças de fato legitimizam o poder estatal, que eles ilustram uma verdadeira necessidade para o estado.

De qualquer forma, os governos possuem uma agenda. Eles necessitam de legitimidade para funcionar tal como uma companhia petrolífera necessita ser capaz de vender petróleo. Se você irá rejeitar as conclusões de cientistas simplesmente porque eles são financiados pela indústria petrolífera então você também terá que rejeitar àquelas dos cientistas financiados pelo governo.

No entanto, essa discussão não nos leva muito longe, então vamos dar uma olhada na ciência.

3. A ciência

Gráfico do Hockey

O mais incisivo argumento feito contra a ciência do aquecimento global antropogênico não é tanto que ele esteja errado… mais que ele não pode estar errado pois não pode estar certo… devido ao fato que não é, na verdade, ciência.

É assim que o método científico deveria funcionar, no caso de você não ter tido que participar de uma aula de ciências por algum tempo. Primeiro você cria uma hipótese, daí você faz uma previsão, organiza um procedimento de controle para testar a sua previsão e por fim documenta os resultados.

Por exemplo, você pode fazer uma afirmação aparentemente racional que uma pedra pesando duas toneladas irá cair no solo mais rápido que uma que somente pesa uma tonelada quando largadas ao mesmo tempo da mesma altura. Mas a verdade é que elas irão tocar o solo ao mesmo tempo. Mesmo coisas que parecem óbvias tem de ser testadas.

A hipótese de um aquecimento global antropogênico é a de que a medida que os níveis de gases do efeito estufa aumentam, as temperaturas irão aumentar (é um pouco mais complicado do que isso, mas essa é a idéia geral). Não é uma hipótese absurda. Ela faz sentido. Ninguém está argumentando que o dióxido de carbono não é um gás do efeito estufa. Ninguém está argumentando que a queima de combustíveis fósseis não liberam dióxido de carbono no ar e ninguém está argumentando que não queimamos uma grande quantidade de combustíveis fósseis desde a Revolução Industrial. Ninguém está nem argumentando que as temperaturas não têm sido mais altas ultimamente. Então, não faria sentido que essas duas coisas estivessem conectadas?

Sem dúvida, faria. Mas e os testes, o que eles revelam? Tem as previsões baseadas nessas hipóteses sido corretas?

Umm… bem, não.

Mas a Terra é tão grande, o clima é tão variado, existem tantos fatores a serem considerados, como eles podem possivelmente esperar acertar?

Bom, essa é exatamente a questão. Eles não podem. Isso não é ciência. Isso parece ciência, pois eles possuem gráficos e estatísticas e homens velhos de barba, ostentando títulos acadêmicos e estudos, contudo, isso não é ciência. É uma hipótese e uma teoria (ou várias teorias) que utilizam modelos computacionais exóticos. Eles usam modelos computacionaisduvidosos como seus resultados.

Aqui está outra forma de verificar que isso não é realmente ciência. O fato que existe um consenso entre os cientistas que dá suporte a isso. A ciência não funciona dessa maneira. Se isso fosse uma teoria provada então eles não iriam chamar a atenção sobre um suposto consenso, iriam somente demonstrar qual era a sua teoria, exibir quais eram as suas previsões, e por fim mostrar os resultados, alinhados com suas previsões. Todo mundo entenderia isso.

Além disso, todo o cientista que usasse as hipóteses iria defender as mesmas previsões e obteria os mesmos resultados. Existiria somente um CHART (gráfico) e iria mostrar exatamente acontecendo o que fora dito e previsto. Quando eles puderem fazer isso, então será ciência. Até lá, é somente uma hipótese.

Mesmo os proponentes da teoria irão dizer a você que não é questão de “prova absoluta”, mas sim probabilidades. O Painel das Nações Unidas sobre o Aquecimento Global dá chances percentuais de que a teoria está correta. Eles dizem que algo como 90% certo tornam-na correta. Isso significa que existe uma chance em dez de que ela está errada? Não, não, não é tão simples. “Deixem de ser tão rudes”, é dito aos dissidentes.

Não é ciência. Eles possuem uma hipótese que parece ter sentido na superfície, mas não a podem usar ainda para fazer previsões precisas. E isso é porque o clima é um vasto, complicado sistema que nós ainda não entendemos.

Aqui segue uma pequena amostra de quão complicada e contraditória parte da ciência realmente é.

  • O dióxido de carbono participa somente com uma pequena parte percentual do que constitui o ar, e não é nem sequer o principal gás do efeito-estufa. Essa não é uma afirmação controversa ou “libertária”. Na verdade, o vapor d’água, sobre o qual a atividade humana praticamente não tem influência, é o mais abundante gás do efeito-estufa. Contudo, o vapor d’água vem e vai rapidamente, enquanto que o dióxido de carbono se mantém no ar por muito mais tempo, então, mesmo embora ele represente uma percentagem menor dos gases do efeito-estufa, ele é mais significativo no que diz respeito à temperatura global de acordo com a teoria.
  • Existe uma camada da atmosfera que deveria aquecer-se primeiramente, de acordo com a hipótese oficial da teoria do aquecimento global. Algo que não foi visto ocorrendo, mas não parece importar por alguma razão.
  • A Terra atravessa períodos de aquecimento e de resfriamento. Nós estamos em um período de aquecimento agora. A razão pela qual você sabe disso é porque quando você sai de casa, você não se choca em uma geleira. A Era Glacial é um período particularmente frio. Mas eles dizem que agora nós estamos no período mais quente que o mundo registrou nos últimos 1000 anos.  Muito dessa crença se origina do “gráfico do taco de hockey” o qual já foi provado falso. Mas, uma vez mais, isso não parece importar.
  • O Sol também passa por ciclos. Existem vezes quando ele está muito quente, já outras que nem tanto. Alguns pensamque isso deve ter alguma influência no clima da Terra, mas aparentemente isso tem pouco a ver com a temperatura da Terra.
  • Existe uma teoria que, acreditem ou não, os raios cósmicos influenciam a temperatura do planeta, pois têm relação com a formação das nuvens, e nós estamos aprendendo sobre quanto efeito isso tem nas temperaturas globais.

Agora, para ser perfeitamente franco, Eu não tenho nenhuma idéia do que a maior parte disso significa. Eu não tenho idéia se alguns daqueles cientistas estão deliberadamente sendo de má-fé, e nunca saberei. É muito complicado para mim.

Mas aparentemente a ciência está decidida (é clara) e a única razão pela qual os libertários não estão aceitando isso é porque eles não querem conceder mais poder ao Estado.

4. As soluções

Fábrica fechada

Pelo momento, todavia, digamos, por uma questão de argumentação, que a teoria antropogênica do aquecimento global está correta. Iria tal fato necessitar um governo global para resolvê-lo?  O que teria de ser feito para lidar com ele?

Como em qualquer outra parte do debate, as opiniões diferem. Soluções propostas vão da escolha pessoal (por exemplo, caminhar ou andar de bicicleta ao invés de dirigir), aos créditos de carbono e taxação, à regulação governamental (ou seja, maiores controles sobre a emissão de carbono por parte das empresas), a meios alternativos de produção de energia (nuclear e/ou renovável) até produtos eficientes (a saber, carros elétricos). Para citar alguns só alguns exemplos. Quase sempre uma gama dessas soluções é proposta, dependendo do ponto de vista ou preferência da pessoa ou do partido envolvido. Essas são apenas táticas todavia, qual é o objetivo?

O governo britânico comprometeu-se a assegurar que “o seu nível de emissão líquida de carbono para o ano de 2050 será 80% menor do que a base de referência do ano de 1990” (Climate Change Act 2008). Entretanto, especialistas dizem que nós já chegamos a um ponto crítico, a conclusão lógica disso sendo que nós devemos reduzir a quantidade de dióxido de carbono emitido logo que pudermos e tanto quanto for humanamente possível

Nessa questão, os ambientalistas radicais acertaram em, pelo menos, um aspecto: que o que foi proposto na grande mídia não está nem perto de ser suficiente para resolver o problema.

Se você está realmente convencido sobre o aquecimento global, se você acha que a ciência está correta e as hipóteses feitas pelos cientistas envolvidos são possivelmente corretas, então você deve também estar convencido sobre qual a solução deve ser.

Total colapso econômico.

A atividade econômica é o inimigo. A atividade econômica requer energia (além da energia nuclear e a ínfima porcentagem que representa a energia renovável), que significa queimar combustíveis fósseis. Há que por fim a essa situação. Ponto. A crise financeira de 2008 não foi ruim, foi oportuna. Nós estamos falando sobre a própria sobrevivência da raça humana, da mesma forma que a de outras poucas espécies. Já pode ser demasiado tarde. Se não fizermos tudo que for necessário agora então nosso planeta, em breve tornar-se-á inabitável. Isso é uma guerra e deve ser tratada assim. Se nós falharmos nisso, nós simplesmente iremos morrer.

Portanto, nós deveríamos produzir somente o que é absolutamente necessário para sobreviver. Comida, água, medicamentos, abrigo. O básico, nada mais. Nós temos que fechar quantas usinas elétricas (seja qual for sua origem) que emitem carbono, todas as fábricas desnecessárias, temos de aterrissar todos os aviões e deixar os carros parados na beira da estrada, queimando a menor quantidade de combustíveis fósseis.

Nós temos de encarar o fato que possa ser necessário regressar a uma forma de vida pré-industrial. O que, infelizmente, iria quase certamente significar uma população pré-industrial, também.

O Estado, sem dúvida, poderia fazer isso tudo acontecer.

O Estado poderia fazer cessar toda a atividade econômica se assim desejasse. O Estado poderia impor uma taxa de 100% sobre as emissões de carbono, tornando complemente impraticável para alguém queimar combustíveis fósseis. O Estado poderia tornar ilegal dirigir um carro ou ligar uma lâmpada. Naturalmente, ninguém está defendendo isso, mas é porque eles não estão levando o aquecimento global suficientemente à sério, eles não estão seguindo a sua conclusão lógica. Uma redução de 80% nas emissões de carbono em 2050 simplesmente não será suficiente, tudo tem de parar. Agora.

Ninguém quer dizer isso porque não é bom pensar que bilhões de pessoas irão ter de morrer ao redor do mundo para a raça humana como um todo sobreviver. Mas o aquecimento global é a maior ameaça que o mundo já viu e não podemos ser apaziguadores como Chamberlain, nós precisamos ser guerreiros como Churchill. Não existe negociação com as leis da física.

E o Estado poderia fazer isso. O Estado poderia nacionalizar todas as indústrias se tivesse que. O Estado poderia impedir o tráfego aéreo e impor um bloqueio nas docas para evitar viagens que causariam emissão de carbono.

4.1 Como iria funcionar em uma sociedade libertária?
Pessoas (sombras) conversando/debatendo

Em uma sociedade libertária, aquilo não seria possível. Uma única entidade não poderia encerrar as atividades de toda a indústria, não poderia fazer toda a atividade econômica parar. Ao invés disso, o que iria acontecer?

Bom, em primeiro lugar, os proponentes da teoria teriam que tentar divulgá-la, eles iriam tentar convencer outras pessoas que a forma pela qual elas vêm consumindo mercadorias está destruindo o planeta. Eles tentariam convencê-las a parar de dirigir, voar, assistir à televisão, comprar bens (inclusive alimentos) do exterior, e de maneira geral, parar de utilizar energia, a não ser que advenha de fontes de energia renováveis. Eles poderiam usar qualquer truque sujo de propaganda disponível de forma a ter sucesso se quisessem. Eles poderiam mesmo falar às pessoas que um “consenso” de cientistas concordaram com sua teoria e que qualquer pessoa que questionar a ciência era um “negador” tão terrível quanto os negadores do holocausto.

E então os indivíduos teriam de decidir por conta própria no que eles acreditam e como gostariam de responder.

Se todo mundo concordasse e se comprometesse completamente com a causa, negando-se a comprar alimento do exterior mesmo se não existisse outro alimento disponível, se eles decidissem parar de fazer qualquer coisa que causasse qualquer possibilidade de emissão de gases do efeito-estufa na atmosfera, então a raça humana seria salva. Sim, as pessoas ainda iriam morrer de fome mas iriam fazê-lo por voluntariamente, uma decisão consciente de agir em prol do bem maior.

Ou digamos que as pessoas não fossem tão altruístas. Digamos que nem todo mundo estivesse disposto a morrer pela causa, que eles iriam fazer todo o necessário para sobreviver, mas nada mais. Então a criatividade do livre mercado iria caminhar nessa nova direção. Nós não precisaríamos de um estado para exigir que as fábricas fechassem suas portas, nós nem mesmo necessitaríamos que empresários benevolentes consentissem voluntariamente, dado que as fábricas iriam fechar porque as pessoas não iriam comprar o que eles estavam produzindo daquele momento em diante.

Iria então ocorrer morte, fome? Não deveria. Os produtos essenciais teriam seu preço aumentado, sem dúvida. Eles deveriam. Isso desencoraja a poupança, além de significar que os empreendedores iriam detectar lucros a serem obtidos com alimentos, abrigos, produtos essenciais e logo existiriam mais fornecedores, competição e os preços cairiam novamente. Aconteceria um ajuste. Não completamente indolor, é claro, contudo, o livre-mercado responde às vontades das pessoas. Os consumidores são reis em uma sociedade anarcocapitalista.

Mas se o aquecimento global, ou qualquer outra teoria apocalíptica estiver correta e as pessoas não ouvirem? O que aconteceria se eles permanecessem com o mesmo comportamento? Então o mundo acabaria.

Isso realmente significa que nós realmente deveríamos ter um Estado? Isso dá uma justificação moral ao conceito da iniciação da força?

 4.2 Iniciação de força…
Homem escondendo armas nas costas

Agora, você pode dizer que as pessoas liberando dióxido de carbono no ar estão INITIATING FORCE (agregindo) porque eles estão arruinando o planeta, tornando-o inabitável para você. E, em uma sociedade libertária, se você puder provar tal fato, então você terá direito a uma ação judicial. Se você consegue provar que uma fábrica do outro lado do mundo está fazendo com que a temperatura da sua casa aumente e isso é prejudicial a você, você será capaz de processá-los criminalmente. Ou se você é um agricultor e você consegue provar que fábricas específicas estão causando um aumento da temperatura significando a impossibilidade de sua produção, então você terá uma razão para ser ouvido.

Oh, algo assim não pode ser provado?

Ok. Então, a ciência não é clara. Não é um fato objetivo. E se não é um fato objetivo (inegável), é somente uma opinião, de forma que, em uma sociedade libertária, o rigor da lei não estará dando-lhe suporte.

Você ainda é livre para tentar convencer quantas pessoas você puder a parar com as atividades que você acredita estarem causando os problemas, no entanto, se as pessoas foram tão estúpidas ou pouco dispostas a escutar, se eles são inflexíveis em suas convicções, então sim, você irá falhar. E sim, o mundo poderia acabar. Se isso acontecer, todavia, a razão será devido às pessoas serem muito ignorantes, muito covardes, inertes frente às decisões necessárias para se salvarem.

Mas se é realmente isso que as pessoas querem, por que elas irão eleger um governo que as irá forçar a fazer o que não estão dispostas a fazer voluntariamente?

Em outras palavras, se você está argumentando que um governo é necessário pois força as pessoas a fazer coisas que não iriam fazer voluntariamente, então, não está você, na verdade, argumentando em favor de um estado totalitário?

A verdade é que a questão do aquecimento global não justifica o Estado mais do que qualquer outra questão que os estatistas clamam dar legimitidade ao Estado. Libertários podem reconhecer a ciência se eles desejam e ainda lutam contra as soluções estatais no que tange à moral e prática, como nós fizemos em todos os outros campos.

Então por que nós tendemos a questionar a ciência do aquecimento global, e não só as soluções propostas?

5. Uma mensagem para os Estatistas

A razão é porque podemos.

Estatistas, enquanto vocês usarem a “ciência” para conceder mais poder ao estado, os libertários devem lutar contra isso, independente de ser verdade ou não.

Sim, se é ou não verdade.

Agora, essa é uma confissão que os libertários “sabem” que a ciência está correta e estão simplesmente lutando como uma tática política? Absolutamente, não. Eu já dei um conjunto de, para mim, perfeitamente válidas razões para questionar a teoria.

De alguma forma, a afirmação feita contra os libertários provavelmente contem um meia verdade. Nós não nos importamos muito sobre a ciência, pois nós estamos focando além do que ocorrerá se a ciência é aceita.

Por exemplo, se você mostrar a alguém um pedaço de papel que afirme que 2+2=5 e dizer-lhes que se eles CONCORDAREM eles irão ser torturados e mortos, eles provavelmente NÃO irão concordar. Claramente, está errado de qualquer maneira, mas a questão é que não é por isso que eles não estão concordando. Se você os mostrasse um pedaço de papel que dissesse 2+2=4 e falasse, novamente, que se eles concordassem eles seriam torturados e mortos, eles provavelmente não iriam concordar com isso, mesmo que seja correto. Os números não interessam naquele momento, na verdade, para muitas pessoas, as emoções irão ofuscar os numerous até o ponto que eles não podem dizer o que é certo ou errado de qualquer forma (o que se aplica para a pessoa com a arma também).

E não é como se a ciência climática seja tão simples desde o princípio.

Essa é a mesma situação que enfrentamos. Se os libertários não lutarem contra a “ciência” do aquecimento global, então vocês irão usá-la como outra razão para a ação governamental, outra razão para apontar armas contra todo mundo. Vocês deixaram isso abundantemente claro.

Se vocês desejam ter um debate científico racional devem removar a arma de trás da ciência. De preferência, vocês deveriam parar de ofender também, além de baixar as armas. Em contrário, nós iremos fazer o que pudermos para manter aquele pedaço de papel entre as suas armas e nossa cabeça.

Depende dos cientistas debater a ciência e de cada indivíduo escolher quais cientistas nos quais querem acreditar; qual teoria, se existe, eles querem aderir. As pessoas podem acreditar que uma carruagem arrasta o Sol através dos céus se elas quiserem, elas deveriam ter a liberdade para tal. Baixai as armas, e existirá uma chance para um debate racional. Até lá, não é ciência. Não é ciência quando existe uma arma por trás. Não é ciência, é um assalto.

***

Tradução de Matheus Pacini. Revisão de Juliano Torres.


Sobre o autor



Voltar ao Topo ↑