23 de janeiro de 1958

36 East 36 Street

New York, N.Y.

 

Cara sra. Rand,

Não sou um crítico profissional e não me sinto apto para julgar os méritos de um romance. Portanto, não quero deter-lhe com o fato de que apreciei muito a leitura de A Revolta de Atlas e que estou profundamente admirado pelo enredo magistralmente construído.

Contudo, ?A Revolta de Atlas? não é apenas um romance. É também ? ou, posso dizer: antes de tudo: uma análise cogente dos males que afligem nossa sociedade, uma rejeição fundamentada da ideologia dos nossos pretensos ?intelectuais? e um desmascarar impiedoso da falta de sinceridade das políticas adotadas por governantes e partidos políticos. É uma exposição devastadora dos ?canibais morais?, os ?gigolôs da ciência? e do ?tagarelar acadêmico? dos promotores da ?revolução anti-industrial?. A senhora teve a coragem de dizer às massas o que nenhum político os disse: sem o capitalismo você não seria nada, e todas as melhorias nas suas condições de vida, que são tomadas como certas, você deve ao esforço de homens que são melhores que você.

Se isto for arrogância, como alguns de seus críticos disseram, ainda é uma verdade que tem de ser dita nesta era de Bem-estar social.

Eu calorosamente a parabenizo e olho para o futuro com grandes expectativas em relação ao seu trabalho.

Sinceramente,
Ludwig von Mises

***

Originalmente publicados em: Journal of libertarian studies, 21, nº 4 (inverno de 2007) 


Anarquia Cotidiana

Stefan Molyneux

Clique aqui para ler

As Engrenagens da Liberdade

David D. Friedman

Clique aqui para ler

Teoria do Caos

Robert P. Murphy

Clique aqui para ler

Vícios não são crimes

Lysander Spooner

Clique aqui para ler