"Se o objetivo das aulas de ciência é transmitir uma compreensão verdadeira, então a astronomia é um pré-requisito para a Física".

A ciência moderna começou no século XVI com a revolução copernicana. Esta revolução na astronomia fez possível a revolução científica do século seguinte, que por sua vez fez a Revolução Industrial e fez possível toda a tecnologia que beneficia a nossa vida no mundo moderno.

Apesar de seu papel histórico, a ciência da astronomia tem sido ignorada no ensino fundamental. Hoje, os alunos do ensino médio não sabem de fatos básicos sobre os movimentos observáveis do sol, da lua, dos planetas e das estrelas, fatos que eram familiares aos pastores da babilônia ha milhares de anos atrás. O contraste entre o pastor e o estudante moderno nos mostra claramente qual é o problema da educação de hoje. O pastor havia adquirido uma grande quantidade de conhecimentos primitivos, pré-ciêntificos, sobre os movimentos dos corpos celestes; tinha observações, mas não tinha nenhuma teoria integrada. Os estudante de hoje, no entanto, tem sido ensinados com as mais modernas teorias do sistema solar com uma idade muito precoce, mas eles não sabem quase nada sobre as observações que levaram a essa teoria. O conhecimento do pastor era primitivo, mas real; o conhecimento da criança parece ser avançado, mas é irreal ? ou seja, é um dogma memorizado sem nenhuma conexão com a evidência.

Qualquer criança do ensino fundamental pode dizer que o nosso mundo é um planeta relativamente ´pequeno que gira diariamente e dá uma volta em torno do sol uma vez por ano. Ele acredita no que os seus professores dizem, mas o que eles dizem não faz o menor sentido para ele. Ele continua vendo o mundo como um lugar enorme onde coisas concretas se movem, mas o mundo como tal permanece fixo. Desde novo, a criança adota a perspectiva de que há ?dois mundos?: primeiro, a experiência do mundo real e o segundo, o estranho mundo que descrevemos nas aulas de ciências.

A maioria das conclusões cientificas avançadas que são ensinadas as crianças na escola são verdadeiras. Algumas delas claro, são muito duvidosas (por exemplo, muitas das afirmações feitas por cosmólogos e ecologistas a cerca do Big Bang), mas as falsidades esporádicas não são o principal problema nas aulas de ciências. O problema mais sério é que o aluno não tem como julgar por sí mesmo a veracidade ou a falsidade do que dizem a ele. Como não deram a ele nenhum dado ou evidência que ele mesmo possa observar, nenhum raciocínio, todas as afirmações que ele escuta tem a mesma hierarquia em sua mente: são afirmações arbitrarias que tem que ser aceitadas com base em uma autoridade.

Se o objetivo verdadeiro das aulas de ciências é transmitir um verdadeiro entendimento, então a Astronomia é um requisito prévio para a física. A essência das realizações de Newton foi a integração da Astronomia com a Física e a terra para chegar as leis universais do movimento e da gravitação. Um aluno não pode compreender as provas para essas leis se ele não compreende o progresso que houve desde as primeiras observações astronômicas com a teoria de Kepler sobre o sistema solar.

Um curso de astronomia deve começar descrevendo o que um observador vê quando olha para o céu. Se são ensinados a eles a sequência correta e os termos essenciais, Aos alunos parecerá um tema fascinante e relativamente fácil de entender, e os levará a fazer perguntas sobre por que os corpos celestes se movem assim. Mais tarde, as teorias astronômicas serão apresentadas como formas de tentar responder as perguntas que os próprios estudantes haviam formulado. As teorias serão possíveis soluções para os mistérios intrigantes, e os estudantes finalmente perceberão o quão brilhante são as soluções de Newton.

Quando o aluno acompanha passo a passo o raciocínio que fizeram os grandes cientistas, ele consegue tanto um entendimento real do conteúdo quanto um conhecimento profundo do método. É quando ele aprender todo o conteúdo, ele vai adquirindo todos os aspectos essenciais do método ciêntifico: Ele descobre que o cientista deve centrar-se em identificar relações de causa e efeito, não só descobrir ?irregularidades?; aprende como a formação de novos conceitos como ?gravidade? levam a descobertas cruciais, e os conceitos inválidos são como ?epiciclos? que levam ao estancamento; e aprende a apreciar plenamente o poder da Matemática como linguagem que permite compreender o mundo físico.

Hoje em dia, os estudantes de ciências são receptores passivos de ideias que não parecem vir de nenhuma parte. O objetivo do Falling Apple Science Institute é que os estudantes desenvolvam-se como pensadores que realmente entendem as leis que governam o universo, ou seja, para entender, o raciocínio que conduziu essas leis. Na verdade o próprio estudante é quem descobre essas leis, tendo assim momentos de ?Eureka? que convertem a ciência em algo emocionante.

Tradução de: Josiberto Benigno

Pagina do Instituto citado: http://www.fallingapple.org/index.php


Anarquia Cotidiana

Stefan Molyneux

Clique aqui para ler

As Engrenagens da Liberdade

David D. Friedman

Clique aqui para ler

Teoria do Caos

Robert P. Murphy

Clique aqui para ler

Vícios não são crimes

Lysander Spooner

Clique aqui para ler