Suécia e o socialismo

Defensores do Estado de Bem-estar estão sempre citando a Suécia como um perfeito exemplo de socialismo democrático na prática, especialmente no que diz respeito à habitação e ao planejamento urbano. Eles orgulhosamente proclamam que não existem favelas na Suécia e que todo mundo tem um espaço adequado para viver. E eles recomendam o procedimento sueco como uma solução ideal para os nossos próprios problemas de habitação e desenvolvimento urbano.

O quadro pintado pelos socialistas de um paraíso na Suécia é realmente persuasivo. E quando eu finalmente visitei o país, eu admito que eu fiquei impressionado por aqueles atrativos projetos de habitação governamentais – rodeados por belos parques com crianças felizes brincando por todo o lado. Eu não vi nenhuma favela.

Dado que eu tento ser uma pessoa razoavelmente honesta, Eu não tinha outra alternativa exceto dar crédito ao socialismo pela situação habitacional na Suécia. Além disso, eu fui obrigado a encarar a possibilidade que a habitação poderia ser uma exceção para a teoria que defendia de que os resultados do socialismo serão sempre indesejáveis no longo prazo. Com o passar dos meses e anos, contudo, eu comecei a frequentemente encontrar estatísticas sobre o experimento sueco como esses dois itens do New York Times:

“… o tempo de espera por um apartamento em Estocolmo continua sendo 6 ou 7 anos (21/10/1962)"

E dois anos depois (20/09/1964):                                    

“No momento atual, os moradores de Estocolmo devem esperar até 10 anos por um apartamento”.

Então eu não tenho vejo outra opção a não ser permanecer com minha antiga teoria – que é, quando o governo assume a responsabilidade por qualquer produto ou serviço que tem (ou pode ter) um preço em um mercado pacífico, o resultado será eventualmente negativo.

Sob a responsabilidade governamental por habitação (moradia), não existe agora nenhum lugar disponível para um jovem casal, que gostaria de se casar e estabelecer residência na cidade-capital da Suécia. As leis socialistas de habitação e de investimentos efetivamente desencorajam investidores privados e construtores a oferecerem um livre mercado habitacional de qualidade em Estocolmo. Por isso, a maioria dos suecos não tem alternativa mas esperar por seu governo paternalista para lhes conceder algum canto (espaço) para viver. Essa é uma relação degradante que nunca seria tolerada por pessoas com o mínimo de orgulho.

A mesma coisa ocorre – deve eventualmente ocorrer – quando e onde o governo usurpar as funções do mercado no qual pessoas pacíficas podem voluntariamente trocar (comercializar) suas mercadorias e serviços. O socialismo (seja na Rússia, Suécia ou nos Estados Unidos) é necessariamente destrutivo para a liberdade do indivíduo e a responsabilidade pessoal; pois quando o governo interfere, aqueles atributos formadores do caráter são automaticamente substituídos pela força e a compulsão. Eu estou convencido que qualquer lei que prive um cidadão pacífico de sua liberdade e responsabilidade (como faz o socialismo) é claramente imoral. Dessa forma, ninguém deveria surpreender-se que, no decorrer do tempo, os resultados do socialismo na prática são universalmente maus.

***

Tradução de Matheus Pacini. Revisão por Juliano Torres.

 


 

Veja também:


O milagre norueguês.

A marcha da Suécia para o capitalismo.

Os mitos do bem-estar social na Suécia.

Como a globalização combate a pobreza.


Anarquia Cotidiana

Stefan Molyneux

Clique aqui para ler

As Engrenagens da Liberdade

David D. Friedman

Clique aqui para ler

Teoria do Caos

Robert P. Murphy

Clique aqui para ler

Vícios não são crimes

Lysander Spooner

Clique aqui para ler