O livre mercado é o melhor amigo da mulher

O capitalismo muitas vezes é culpado por muitas coisas que não é responsável. Essa é simplesmente uma realidade que nós, defensores...

 

O capitalismo muitas vezes é culpado por muitas coisas que não é responsável. Essa é simplesmente uma realidade que nós, defensores do livre mercado, aprendemos a lidar. 

Entre as acusações feitas contra o capitalismo é que ele é ruim para as mulheres. Umas semanas atrás eu discuti sobre a diferença de salários entre sexos, que geralmente é alegado como um exemplo de como o capitalismo causa discriminação contra as mulheres. Ouvimos outros argumentos como o capitalismo apóia “patriarquia” e de outro modo leva as mulheres a serem tratadas como cidadãs de segunda-classe. Na verdade o capitalismo tem feito muito mais bem para as mulheres do que mal. 

Um dos melhores exemplos é a forma que o capitalismo tem tornado possível o avanço econômico feminino, principalmente sua presença crescente no mercado de trabalho. O aumento constante da participação das mulheres no mercado de trabalho talvez seja o fato demográfico mais importante dos últimos 100 anos. Dando as mulheres sua própria fonte de renda, o capitalismo deu-lhes poder de várias maneiras; por exemplo, a dinâmica de mudança do casamento permitiu as mulheres saírem de relacionamentos que anteriormente não poderiam sair. A independência econômica das mulheres transformou a família também de outras formas. 

Podemos observar a participação crescente das mulheres no mercado de trabalho por dois lados, como geralmente fazemos na Economia. O capitalismo não só demandou mais trabalho feminino como também ofertou as condições que tornaram mais fácil para as mulheres fornecê-lo. 

Demanda Crescente 

O lado da demanda talvez seja mais óbvio. O crescimento econômico que o capitalismo gerou após a Revolução Industrial no começo do século vinte teve duas consequências. Primeiro, aumentou a demanda por trabalho em geral. À medida que os salários aumentaram e os trabalhadores (a maioria homens) tornaram-se mais ricos, eles começaram a comprar mais do que antes. A demanda crescente por produtos finais aumentou a demanda para todos os insumos que levam a eles. É claro que um desses insumos é o trabalho. 

Essa demanda crescente por trabalho significou que as empresas tinham que achar mais trabalhadores em algum lugar. Uma opção era tentar desvincular os homens de outros empregos, mas a única forma de fazer isso era pagando salários maiores. A outra opção era contratar mais mulheres em empregos que anteriormente eram restritos aos homens. Na verdade isso é o que as firmas começaram a fazer no começo do último século. O resultado foi que as mulheres que antes não trabalhavam for a do lar começaram a conseguir empregos. O crescimento criado pelo capitalismo e a industrialização tornou isso possível. 

O crescimento teve um segundo efeito na demanda por trabalho feminino. À medida que a industrialização progrediu e a escala de operações aumentou, o número de trabalhos auxiliares como secretárias e balconistas aumentou. Além disso, parte do aumento na demanda de consumo citada acima foi mais de serviços do que de bens. Ao invés de comprar uma galinha e abatê-la, as pessoas estavam dispostas a pagar mais pelas partes da galinha. Comer for a tornou-se mais comum, e a demanda por serviços pessoais como cabeleireiras aumentou. As mulheres podiam competir com os homens por muitos desses trabalhos de escritório e de serviço mais eficientemente que podiam por outros trabalhos físicos mais pesados. O resultado foi de mais oportunidades de trabalho para as mulheres. Por volta de 1940 a demanda por trabalho feminino era intensa o suficiente para as empresas começarem a oferecer a opção de trabalho por meio-período para satisfazer a necessidade das mulheres casadas por flexibilidade. 

Trabalho Doméstico – Dispositivos para Poupar Tempo 

O capistalismo também forneceu as condições que tornaram mais fácil para as mulheres satisfazerem essa demanda por trabalho. O maior problema que as mulheres casadas, especialmente com crianças, encontravam se quisessem trabalhar era cuidar da casa. Com a tecnologia disponível na virada do último século, manter a casa limpa era um trabalho integral. O período entre as guerras mundiais, entretanto, testemunhou-se o desenvolvimento de todos os tipos de novos aparelhos domésticos que reduziram significativamente o tempo necessário para limpar a casa e cozinhar. Lavar a roupa passou de um trabalho de várias pessoas por três dias para apenas uma questão de horas. Essas invenções liberaram as mulheres de muita da labuta do trabalho doméstico e tornou possível ao menos se pensar em trabalhar for a de casa (esse ponto é apresentado grandemente nesse vídeo de Hans Rosling). 

As mulheres também tornaram-se crescentemente educadas, tanto no ensino médio e no ensino superior. Aqui também a riqueza criada pelo capitalismo tornou possível para as famílias bancarem a educação de suas crianças por mais tempo, incluindo suas filhas. Essa riqueza também foi suficiente para a renda das crianças se tornar desnecessária para a sobrevivência. O potencial feminino mais educado e mais produtivo significava que era mais provável das mulheres serem contratadas. 

Embora dificilmente receba o crédito, o capitalismo liberou as mulheres de séculos do estigma de cidadãs de segunda-classe.

***

Tradução de Robson da Silva. Revisão de Juliano Torres.


Anarquia Cotidiana

Stefan Molyneux

Clique aqui para ler

As Engrenagens da Liberdade

David D. Friedman

Clique aqui para ler

Teoria do Caos

Robert P. Murphy

Clique aqui para ler

Vícios não são crimes

Lysander Spooner

Clique aqui para ler